Wednesday, March 08, 2006

PROCYON + R.D.P. - Ao vivo em Almada, no "Incrível Almadense" (17 Janeiro 1992)



Os Brasileiros R.D.P. actuaram no nosso país pela primeira vez em 1992. O comentário que aqui vou incluír, em relação a este concerto, é praticamente uma cópia do comentário que inclui no segundo número da minha Fanzine “Hallucination” em 1992, lembram-se dessa Fanzine??? Será que ainda existe em Portugal alguém que possui algum exemplar dessa Fanzine??? Por acaso tive a oportunidade de falar com o João Gordo na pequena conferência de imprensa que eles (e os PROCYON) deram antes do concerto, felizmente ou infelizmente, nessa conferência só marcaram presença algumas (muitas por sinal) Fanzines Portuguesas da actualidade, algumas rádios e 2 ou 3 fotógrafos. Claro que o pessoal das Fanzines ofereceu ao João Gordo um exemplar de cada Fanzine, ele ficou bastante admirado com a quantidade de Fanzines que existiam em Portugal. Voltando então ao concerto, foram cerca de 1.500 fans de Metal que estiveram em Almada, no “Incrível Almadense” para assistir à actuação de duas excelentes bandas, os Portugueses PROCYON e os já referidos R.D.P. Os PROCYON foram os primeiros a pisar o palco, este concerto foi o último de uma série de dez concertos para promover a última demo da banda PROCYON, “Last Seeds of Mind”, para quem já não se lembra o Manager da banda nessa altura era o meu grande amigo Duarte Dionísio da "Contacto". A banda tocou sete músicas, incluindo a sua Intro (“Lab’s Entry”): “Unspeakable Words”, “Last Seeds of Mind”, “Asking More”, “Deadly Sin”, duas novas músicas (“All the Same” & “Atomic Heart Season”) e para finalizar uma cover dos AC/DC “Hell’s Bells” que levou o público ao rubro.
Depois de um intervalo de cerca de 30 minutos, sobem ao palco os tão esperados R.D.P. e como seria de esperar foi o caos total, a banda tocou as seguintes faixas: “Rise & Fall”, “Sofrer”, “Aid Pop”, “Igreja”, “Vida Animal”, “Anarkophobia”, “Plano II”, “Mad Society”, “Hatred”, “Beber até o Bico”, “Guerrear/Políticos”, “Crucificados”, “Realidades”, “Paranóia/Kaos”, “Herança”, “Que vergonha”, “Amazónia” e para finalizar tocaram duas covers, “Ramones” (MOTORHEAD) e “Commando” (RAMONES). A banda tocou cerca de uma hora. O balance dessa noite foi bastante positiva pois a técnica e a maturidade dos “desconhecidos” PROCYON veio assim completar a grande actuação dos R.D.P. Nessa noite os R.D.P. provaram, sem qualquer dúvida, que o Metal Brasileiro estava e continua a estar bem patente na mente e no coração de todos os Metaleiros Portugueses.

2 Comments:

Blogger slayer maniac said...

Um concerto de R.D.P. é algo de muito "violento" e divertido. Nunca mais me esqueço da primeira parte que eles fizeram para os Death no extinto pavilhão de exposições de Vila Nova de Gaia, foi uma autêntica selvajaria. Lembro-me por exemplo de um facto curioso em que o pessoal comentava que os R.D.P. tocaram um concerto mais curto que os Death em duração mas tocaram o triplo dos temas eheheh. Grande dia esse, onde pudemos ver pela única vez em dupla data em Portugal o Mr "Evil" Chuck RIP. Alguém esteve neste concerto em Gaia onde estiveram quase 2000 pessoas?

8:22 PM  
Blogger Ginga said...

é pá! tenho um bilhete igual a esse!!! e tb sou de torres novas!! ggrande noite!

1:49 PM  

Post a Comment

<< Home